São eles

No amálgama dos sabores. Na malemolência das contribuições. Nem tudo o que parece é. É o que não parece. Um pouco de tudo. Muito do nosso. Brasilidade em essência, do ingrediente à técnica, da raíz ao ténue, da preservação ao futuro.

Objetivo: Divulgar informações e reflexões críticas sobre a cozinha brasileira (em especial a Nordestina e a Nortista), utilizando-se, para tanto, de um blog como meio de comunicação. A intenção é propor ideias, retratar e valorizar toda a força da cozinha brasileira sustentável, por meio de textos (com fotos, vídeos e receitas com histórias) com conteúdo de qualidade e profundidade, mas, ao mesmo tempo, configurados de forma divertida e de fácil leitura.

 

Maria de Lourdes Barbosa
Santa no nome, índia por geografia e portuguesa de batismo . Seu dia possui 48h, pula, canta e dança. Esta paraense, que preserva nos seus  cadernos de receitas de família todo o encanto e sabores amazónicos ainda por serem descobertos, seria uma famosa chef de cozinha  se o bichinho da hospitalidade (gastromonia), do marketing e do ensino não lhe falassem mais alto.

- Coordenadora do Centro de Estudos em Hospitalidade, Turismo e Gastronomia do Programa de Pós-Graduação em Administração da UFPE. Doutora em Administração  pela UFPE. Interesse nos temas: Marketing de Serviços e Comportamento do Consumidor de Serviços (Turismo, Hotelaria e Gastronomia).

Thiago das Chagas
De pele e alma negra, miscigenado por geografia e interinamente português. De família canavieira nordestina, não a da Casa-Grande, mas a da Senzala, este pernambucano arretado herdou dos seus antepassados muito da opulência, do apuro e da coragem do fazer, do destemido, do cozinhar e do preservar para valorizar o que é nosso.

- Como cozinheiro engajando na defesa dos costumes e sabores locais Nordestinos, foi fundador do Slow Food Recife. Estagiou com o Chef Duca Lapenda, o Chef Suiço Bertrand Bouvier e foi cozinheiro do Chef Joca Pontes. Durante quase dois anos trabalhou no Mamer, Ong da periferia do Recife (Jaboatão Centro) que busca a inclusão social mediante a prática da gastronomia de jovens em situação de risco. Com o ímpeto de desvendar todas as “fronteiras” da nossa cozinha, se transfere por 4 anos para Portugal. Lá, passa um ano trabalhando nas várias cozinhas de um dos melhores Resorts do Algarve, o Grande Real Santa Eulália. Se transfere para Lisboa onde durante três anos exerce a função de sous-chef no conceituado Restaurante 2780 Taberna e depois 1300 Taberna, do Chef Nuno Barros. Paralelamente ao trabalho, fez um Mestrado pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, em Segurança e Qualidade Alimentar em Restauração. Obteve também um certificado de Auditor Interno em Cozinha, emitido pela SGS e recentemente esteve em Londres, no prestigiado Restaurante O Viajante, do Chef Nuno Mendes, detentor de uma estrela Michelin. De volta a Recife estagiou no Bar da Mira, considerada a Imperatriz da cozinha pernambucana, na periferia do Recife.

Uiara Martins
Índia no nome, na pele e na geografia. Cearense com orgulho, brasileira com convicção, vocação e estudos. Andar com Uiara pelas ruas é uma tarefa praticamente impossível, dada a quantidade de pessoas que a cumprimentam…Seus quitutes já lhe renderam fama internacional, é daquelas que segura a pessoa pelo estômago, fácil. Batalhadora incansável no que acredita e faz.  Nasceu pra mudar o mundo!

- Tecnologa em Hotelaria pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (2006). Mestre em Gestão e Planeamento em Turismo pela Universidade de Aveiro (2009). Participou como Investigador/ Bolseiro no projeto MIMAR- Memórias e Imaginários de Mar(2010/ jul2011). Atualmente é pesquisadora na área de Cultura, Turismo Cultural e Gastronomia, do projeto Murtosa Coração da Ria em Aveiro -Portugal . Esta a cursar o programa doutoral em Estudos Culturais na Universidade de Aveiro/Universidade do MInho em Portugal . Tem experiência na área de Turismo, com ênfase em Turismo Cultural e Interculturalidade, atuando principalmente nos seguintes temas: Turismo cultural e Gastronômico, Rotas Gastronômicas. e Culinária Típica Brasileira.

Leave a Reply

Required fields are marked *

*