Pesca Artesanal: peixe nosso de cada dia

O peixe, um dos alimentos proteicos mais adequados a um regime saudável, quando bem fresquinho e bem cozinhado é um dos grandes prazeres da mesa. Em alguns países, como China, Japão, Peru e Islândia, devido a enorme importância para seus povos e, muito antes das evidências do importante papel desempenhado pelos ácidos gordos da série ómega-3, que protegem contra doenças coronárias, inflamações, diabetes e certos tipos de câncer, o seu consumo sempre se mostrou alto.

Na Semana do Peixe (ação realizada pelo Ministério da Pesca e Aquicultura que visa incentivar o seu consumo e decorre até o dia 17 de setembro) -, o Ministro Marcelo Crivella, em entrevista ao programa ‘Bom Dia Ministro’, disse acreditar e apostar suas fichas nas potencialidades do Brasil para a aquicultura, ou seja, devido o país contar com os maiores recursos de água doce do mundo e um extenso litoral, que o peixe seja produzido em maior escala, digo cativeiros, e oferecido à população a preços tão competitivos quanto os do frango.

Tão raros quanto os bens que trabalham, tão emblemáticos quanto os cartões postais das jangadas do Nordeste do Brasil, os pescadores artesanais, que usam a força braçal para soerguerem as redes e o conhecimento transmitidos de gerações para localizarem os cardumes, tendem ao declínio.  Incentivar ao consumo do pescado por parte da população é sempre válido, mas não através dos camarões cinzas a R$ 7,99, tão pouco através das tilápias congeladas em embalagens cintilantes.

Em Recife, por exemplo, apesar de ser uma cidade que tem como ponto de referência o Oceano Atlântico a sua direita e ser considerada a Veneza brasileira pelos rios, encontrar um mercado no qual os pescadores não sejam coadjuvantes e o seu produto seja oferecido sem os habituais atravessadores é tarefa quase impossível. Quando isto ocorre (foto), nos deparamos com outros deploráveis problemas, você comeria um siri mole ou peixe pescados no Rio Capibaribe?

Sabendo que o peixe é um dos recursos essenciais para a economia, de subsistência para as comunidades costeiras e que 75% das reservas de peixe dos planeta correm risco de desaparecer, durante a escolha do peixe nosso de cada dia, o consumidor pode decidir se vai abocanhar um cardume inteiro congelado ou se ajuda a construir um enorme aquário sem bomba  e vidro.

pesca artesanal recife

Thiago das Chagas

16. setembro 2012 by admin
Categories: Projeto Sapoti | Tags: , , | Leave a comment

Leave a Reply

Required fields are marked *

*