Os Potenciais da Gastronomia Brasileira como Produto Turístico Internacional

Instigada pela afirmação de Antonio Montecinos (Doutorado na área do Turismo Gastronômico) de que “o Brasil en máximo 5 años será el Pais líder en Gastronomia” é que me inspirei para escrever o texto desta semana.

A gastronomia como produto turístico de um destino, é um elemento que permite ao turista não somente suprir a necessidade básica do homem de alimentar-se, mas também reconhecer nela  a história, as raízes culturais em que este povo esta fundamentado. É por isso que nos últimos anos, em que emergiram os novos turistas (Poon, 1993), com novos anseios, em busca de conhecer melhor a cultura do outro, é que a gastronomia potencia-se como produto turístico.

De acordo com Hall e Sharples (2003) o interesse pela alimentação tem crescido cada vez mais, passando a ter um impacto significativo no processo de escolha de um destino por parte do turista.

No Brasil, o interesse pela gastronomia típica não é diferente. Em 2011 O Ministério do Turismo apresentou uma pesquisa realizada no ano de 2010, pela Fundação Instituto Pesquisas Econômicas (Fipe) com 39.000 turistas internacionais. Nesse estudo, os turistas avaliaram diversas vertentes do destino. Dentre elas, avaliaram os serviços turísticos ofertados, tendo revelado que a experiência com a gastronomia brasileira fora muito positiva, chegando essa a ter 96% de aceitação.

Olhar para estes números me faz refletir o porquê desta comida ser tão apreciada? Comumente não valorizarmos a riqueza que muitas vezes está diante dos nossos olhos, no entanto os outros num contexto exterior conseguem enxergar e valorizar.

Aquilo que muitas vezes não vemos na comida brasileira é que para além de um alimento, ela é uma fonte de riqueza histórica e cultural. Aliás, desconheço outro país que tenha na matriz de sua cozinha a base de três culturas.

Essa hibridação que está presente na cozinha brasileira e, que muitas vezes, é abafada por estereótipos, foi que permitiu hoje um colorido, um cheiro, um sabor que é único. Não quero aqui também deixar de referir as adaptações e os novos pratos que surgem na nossa cozinha, mas se nos aprofundarmos um pouco na história da alimentação brasileira, vamos encontrar fundamentos para todos eles.

Neste contexto, penso que a potencialidade da cozinha brasileira está exatamente no diferencial que ela tem, na sua unicidade de cores, de cheiros, de sabores e principalmente no contexto histórico em que ela está fundamentada.

Portanto podemos proporcionar aos nossos turistas uma experiência diferenciada com a cozinha brasileira, ou seja, uma comida com história!

Acredito que possam existir outros fatores potencias para que esta gastronomia se concretize cada vez mais como um potencial produto turístico no Brasil, mas, penso que os referidos devem ser o ponto de partida para a valorização deste “Produto Gastrômico”.

Bibliografia Referencial:

Hall, M., & Sharples, L. 2003, The consumption of experiences or the experience of consumption? An introduction to the tourism of taste. In M. Hall, L. Sharples, R. Mitchell,N. Macionis, & B.

Poon, A. ,1993, Tourism, technology and competitive strategies. Wallingford: CABI International.

 

Uiara Martins

26. maio 2012 by admin
Categories: Projeto Sapoti | Leave a comment

Leave a Reply

Required fields are marked *

*